Embora as duas grafias sejam admissíveis, recomenda-se a grafia marca-d’água.

A dicionarística mais atual portuguesa regista a forma marca de água, a saber Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora [em linha], Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], enquanto os dicionários brasileiros registam marca-d’água, a saber Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa e o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Encontram-se, assim, atestadas duas grafias para a mesma palavra.

 

Marca de água ou marca-d’água: uma questão de apóstrofo

 

A dicionarística mais atual portuguesa regista a forma marca de água, a saber Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora [em linha], Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], enquanto os dicionários brasileiros registam marca-d’água, a saber Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa e o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Encontram-se, assim, atestadas duas grafias para a mesma palavra.

Segundo os textos legais que regulam a ortografia portuguesa e que dizem respeito ao uso do apóstrofo, nomeadamente a Base XVIII, alínea d), do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) e as Bases XXXII a XXXVIII do Acordo Ortográfico de 1945, o apóstrofo é usado, e cito o Acordo de 1990:

«Emprega-se o apóstrofo para assinalar, no interior de certos compostos, a elisão do e da preposição de, em combinação com os substantivos: borda-d’água, cobra-d’água, copo-d'água, estrela-d'alva, galinha-d'água, mãe-d’água, pau-d’água, pau-d’alho, pau-d’arco, pau-d’óleo.».

Relativamente às regras ortográficas anteriores, não há alterações de maior, a não ser a omissão, talvez por lapso (?), de algumas partes e aqui sublinhadas, e cito as Bases Analíticas de 1945:

«Sempre que, no interior de uma palavra composta, se dá invariavelmente, tanto em Portugal como no Brasil, a elisão do e da preposição de, emprega-se o apóstrofo: cobra-d’água, copo-d’água (planta, etc.), galinha-d’água, mãe-d’água, pau-d’água, pau-d’alho, pau-d'arco. Dando-se, porém, o caso de essa elisão ser estranha à pronúncia brasileira e só se verificar na portuguesa, o apóstrofo é dispensado, escrevendo-se a preposição em forma íntegra: alfinete-de-ama, maçã-de-adão, mão-de-obra, pé-de-alferes.»

Ora, sempre que a supressão do e da preposição de se verifica nas duas variedades da língua, não há dúvidas quanto ao emprego do apóstrofo. Nos casos em que a elisão apenas se verifica entre falantes portugueses, e não na pronúncia brasileira, o apóstrofo é dispensado. E nos casos em que a elisão se verifica na pronúncia brasileira e a oscilação de pronúncia, entre supressão ou não do e, é manifestamente um fenómeno corrente em Portugal? Pois é neste patamar que se encontra o vocábulo em estudo.

Observe-se que o apóstrofo assinala a economia de sons em nomes compostos, fenómeno que ocorre frequentemente quando se profere o composto em questão. Não obstante, na formação do composto marca + de + água, entre o significado de cada um dos seus elementos, o composto, por si mesmo, apresenta uma especificidade própria, ou seja, o significado de cada um dos seus elementos isolados é diferente da soma de todos os seus elementos, ou seja: uma marca de água (sentido literal) é diferente de uma marca--d’água (desenho ou inscrição).

Concluindo: embora as duas grafias sejam admissíveis, recomenda-se a adoção da grafia marca-d’água de forma a garantir a individualidade do termo em questão.

Um outro ponto que pode ainda ser debatido relativamente ao composto marca-d’água é o seu significado. Em muitos dicionários, o vocábulo figura como sinónimo de filigrana.

No âmbito da língua portuguesa do trabalho desenvolvido por especialistas, parece haver vantagens em estabelecer uma distinção entre os vocábulos filigrana e marca-d’água. Vejamos:

- o vocábulo filigrana, do italiano filigrana, 'trabalho de ourivesaria com entalhes formados de fios delicados', pelo latim filu(m) 'fio', deveria ser reservado apenas para fazer referência aos fios metálicos, geralmente de cobre, que formam uma marca distintiva (desenho ou inscrição) numa pasta de papel;

- o composto marca-d’água é a marca distintiva (desenho ou inscrição) impressa numa folha de papel durante a sua fabricação, geralmente pouco percetível e mais visível à contraluz [o nome parece advir do facto de a marca--d’água, sendo menos opaca que o resto do papel, parecer ter sido produzida pela ação da água; as marcas-d’água apresentam desenhos muito variados: emblemas heráldicos, escudos, figuras mitológicas, instrumentos musicais, monogramas, objetos diversos, podendo ainda representar a marca do fornecedor do papel].

Lisboa, 12 de novembro de 2015
Ana Salgado

Referências:

Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa [CD-ROM], Instituto Antônio Houaiss, 2001, ISBN: 85-7302-396-1.
Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda, Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 3.ª ed., Curitiba: Positivo, 2004.
Dicionário da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2015.
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2015.
“water-mark”. OED Online. March 2015. Oxford University Press (disponível em http://www.oed.com).
Novo Dicionário do Livro da escrita ao Multimédia, Círculo de Leitores, 1999.
Texto oficial do Acordo Ortográfico de 1945 (disponível no Portal da Língua Portuguesa: http://www.portaldalinguaportuguesa.org/acordo.php?action=acordo&version=1945).
Texto oficial do Acordo Ortográfico de 1990 (disponível no Portal da Língua Portuguesa: http://www.portaldalinguaportuguesa.org/acordo.php?action=acordo&version=1990).

 

mala-posta
Do francês malle-poste
nome feminino
carruagem basicamente destinada ao transporte oficial do correio, em compartimento próprio, mas que também era usada para o transporte de passageiros e mercadorias


«Iam a Coimbra à matrícula geral, que é logo princípio do mês; e depois, uns de barco, outros na mala-posta, lá seguiam todos para aquela praia, à espera que se abrissem as aulas.» Trindade Coelho, In Illo Tempore, p. 69


«O Vilaça então lembrou os desastres da mala-posta. No de Alcobaça, quando tudo se virou, ficaram esmagadas as duas irmãs de caridade!» Eça de Queirós, Os Maias, p. 60


Plural: malas-postas

in Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa [nova edição digital em curso]

Crédito da imagem: Pedro Ribeiro Simões

Apoios

X

Conteúdo protegido

Conteúdo protegido por direitos de autor