O género do vocábulo “enzima” tem sido bastante debatido.

Em 1876, o fisiologista alemão Willy Kühne criou o termo Enzyme, com
origem no grego en- ‘dentro’ + -zumê ‘fermento’) para designar as substâncias
orgânicas com funções catalisadoras em numerosas reações químicas. De
género neutro em alemão, a palavra passou para o inglês e para o francês,
língua em que inicialmente o vocábulo foi considerado do género masculino
e é hoje documentado, pela Académie française, como de género feminino
ou masculino, o que também acontece em espanhol, ainda que o Diccionario
panhispánico de dudas recomende o uso no feminino.

Em português, a tradição lexicográfica consagra o género feminino, o que se
comprova pela consulta de várias obras de referência, como é o caso
do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa de Rebelo Gonçalves,
o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de
Letras, e de vários dicionários. Há, no entanto, uma exceção: Silveira Bueno.
Este filólogo consigna o género masculino no seu Grande Dicionário
Etimológico-Prosódico da Língua Portuguesa (1963).

A razão para a adoção do género feminino deve-se ao facto de a palavra não
chegar até nós diretamente pelo grego, o que nos impede de fazer analogias
com outros helenismos neutros terminados em a, como “grama” (unidade
de medida), por exemplo, sendo o seu género, em língua portuguesa,
induzido pela sua terminação.

O hábito linguístico com que determinado vocábulo acaba por se fixar na
língua tem cada vez mais peso em questões lexicográficas – a consagração
pelo uso. Ora, a este respeito, e observando a oscilação de género que se
verifica em diferentes comunidades científicas, atualmente justifica-se o
registo dessa oscilação, mantendo, todavia, pelos motivos linguísticos acima
apontados, a forma feminina como preferencial.
enzima s. f. ou m. Bioquím. 1. Substância orgânica presente em células vivas, que
desempenha o papel de catalisador, aumentando a velocidade específica de certas
reações químicas nos seres vivos. ≃ DIÁSTASE. Enzima digestiva. As glândulas gástricas
segregam sucos que contêm enzimas. «na saliva a substância química responsável pela transformação do
amido num açúcar mais simples é também uma enzima» (OF, 6). 2. Na indústria, substância
solúvel usada na fermentação do vinho, do queijo, do pão... ≃ DIÁSTASE, FERMENTO.
Lisboa, 22 de outubro de 2015
Ana Salgado e Bernardo Jerosch Herold

 

X

Conteúdo protegido

Conteúdo protegido por direitos de autor