Empregar, ou não, hífen? Ponto que sempre precisou de cuidados especiais.

BOM SENSO. Com hífen ou sem hífen, eis a questão!
Nos tempos que correm, nem precisam de consultar livros, pois basta
navegar por algumas páginas da Internet para se concluir que a questão é
controversa. Empregar, ou não, hífen? Ponto que sempre precisou de
cuidados especiais.
Grandes obras de referência em língua portuguesa não registam a expressão
com hífen. Alto! A última edição do Vocabulário Ortográfico da Língua
Portuguesa (5.a edição, 2009, p. 126), elaborado pela Academia Brasileira de
Letras, regista: bom-senso. Sendo esta obra a fonte oficial para dúvidas
ortográficas, os brasileiros, pelo menos, seguindo a norma-padrão, deveriam
grafar com hífen. No entanto, nem tudo é o que parece! Consultemos a
versão em linha desta mesma obra e, surpresa, “Nenhum resultado
encontrado”. Advertência da instituição: “As divergências entre o VOLP
impresso e a versão on-line resultam, quase sempre, de ter esta última
incorporado as correções publicadas em suplemento, com as alterações
feitas após a 5.a edição.” Consultemos o dito suplemento. Nada, nada se
encontra nas listas disponíveis de “Correções e Aditamentos a verbetes da
5.a edição”.
Afirmar que esta expressão nunca levou hífen é ignorar o original de um dos
mais polémicos e violentos textos da nossa literatura portuguesa. Em 1865,
no opúsculo «Bom-senso e bom-gosto», assinado por Antero de Quental e
dirigido a António Feliciano de Castilho, polémica que ficou conhecida

como a Questão Coimbrã ou mesmo a Questão do Bom-Senso e bom-
gosto*, é com hífen que está grafada.

*Folha de rosto do opúsculo.
Hoje, em sucessivas reedições, o vocábulo figura sem hífen.

Aos dicionários, apesar do muito que ainda se pode apontar, nunca faltou
bom senso! Consultemos o Houaiss (versão brasileira ou a portuguesa), o
Aurélio, a Infopédia, a Priberam, o da Academia... Alto! Embora o Dicionário da
Língua Portuguesa Contemporânea, de 2001, polémico como qualquer obra
verdadeiramente pioneira mas uma peça lexicográfica de inegável valor,
registe bom senso, com uma abonação retirada de um periódico, «Mostra estar
aberto ao diálogo e afirma querer uma solução de bom senso» (Público,
15.4.1993), melhor teria sido recorrer a um bom exemplo clássico, como,
por exemplo, a um excerto de um texto escrito em 1887, assinado por Eça,
com fortes laivos de atualidade no Distrito de Évora, que atesta a grafia sem
hífen: «Em Portugal não há ciência de governar nem há ciência de organizar
oposição. Falta igualmente a aptidão, e o engenho, e o bom senso, e a
moralidade, nestes dois factos que constituem o movimento político das
nações.» [sublinhado meu], o vocábulo também figura hifenizado no verbete
“cabeça”, aceção número 15, enquanto sinónimo; no verbete “dedo”, na
definição da expressão “ter dois dedos de testa”; na aceção 3 de
“desconchavado”, e em mais alguns casos. Lamentável, diriam. Sim, mas de
nada adianta apontar o erro, de nada serve criticar se não for para mudar,
avançar. Daí que seja tão urgente a publicação de uma nova edição do
Dicionário, essa que me encontro a coordenar e que junto de todos os
académicos envolvidos se reúnem esforços para dar à luz uma obra da
instituição que chama a si “o exigente papel de regulação da língua em
Portugal” (cf. Ciberdúvidas).
Apesar de instalada a confusão, na realidade “bom senso” sempre se
registou sem hífen na dicionarística portuguesa*. Vale a pena ainda
esclarecer que o emprego do hífen nada tem que ver com a aplicação das
novas regras ortográficas. O texto do novo Acordo Ortográfico é lacunar
em muitos pontos. É verdade, mas não é o responsável por um bom-senso,
com hífen, ou pela falta dele.
O hífen serve para ligar elementos de palavras compostas e é usado, no caso
de um adjetivo (bom) e de um nome (senso) quando o conjunto dos
elementos forma um sentido único. Reparem: um baixo-relevo não é um
relevo que é baixo, mas antes uma escultura. O adjetivo, baixo, perde o seu
sentido original e o conjunto dos vocábulos transmite um novo conceito,
surgindo uma nova palavra que deve ser escrita com hífen; belas-artes são

manifestações artísticas; meio-dia é a hora. E o hífen de bom-tom não é
obrigatório?
Passemos, agora, a analisar aquilo que considero ser o busílis da questão: as
duas palavras, bom senso, no seu conjunto constituirão uma unidade
semântica? Pois haverá fortes argumentos que nos levam a responder
afirmativamente. Bastará, pois, olhar para a definição: “disposição natural
para julgar corretamente, para bem ajuizar em situações específicas ou em
diferentes realidades”. Estivesse aqui Aristóteles e dir-nos-ia que, na
verdade, é o “elemento central da conduta ética”, vai mais além de fazer o
que está certo, ou que é bom, é chegar ao equilíbrio, ao meio-termo (ou
querem que seja meio termo?) através da razoabilidade e ponderação.
Enquanto lexicógrafa que observa atentamente a língua e o uso que os
falantes fazem da mesma, declaro que estou diante de um bicho de sete
cabeças! Há quem hifenize; há quem não o faça; há quem não saiba o que
fazer! E de nada me adianta cortar algumas cabeças, o trabalho é de
Hércules! Respeitando a tradição lexicográfica, dito o não uso do hífen,
observando a estrutura do vocábulo e o seu sentido brado por um hífen!
Não só eu, também Sacconi, no Brasil, o faz.
Não gostaria de cair em contrassensos, mas haja um julgamento correto e
equilibrado, que não mais me perturbe a alma, haja bom-senso!
Porto, 2 de novembro de 2015
Ana Salgado
*Agradeço ao leitor Rui Santos a seguinte chamada de atenção:
“O Grande Dicionário da Língua Portuguesa, da Sociedade de Língua Portuguesa, coordenação do Prof. José
Pedro Machado, edição de 1989, Vol II, pág. 382, grafa "bom-senso". (…) Aí, é atribuído o significado de
"disposição natural para julgar rectamente em assuntos concretos, que não admitem uma evidência lógica
simples". No entanto, o mesmo dicionário, no vol XI, pág. 91, na entrada "senso", indica o significado (…)
"aplicação da razão de uma pessoa, que lhe serve para julgar ou raciocinar em cada caso particular da vida;
o acto de pensar calmamente para resolver ou julgar com equidade" (…)”.

mala-posta
Do francês malle-poste
nome feminino
carruagem basicamente destinada ao transporte oficial do correio, em compartimento próprio, mas que também era usada para o transporte de passageiros e mercadorias


«Iam a Coimbra à matrícula geral, que é logo princípio do mês; e depois, uns de barco, outros na mala-posta, lá seguiam todos para aquela praia, à espera que se abrissem as aulas.» Trindade Coelho, In Illo Tempore, p. 69


«O Vilaça então lembrou os desastres da mala-posta. No de Alcobaça, quando tudo se virou, ficaram esmagadas as duas irmãs de caridade!» Eça de Queirós, Os Maias, p. 60


Plural: malas-postas

in Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa [nova edição digital em curso]

Crédito da imagem: Pedro Ribeiro Simões

Apoios

X

Conteúdo protegido

Conteúdo protegido por direitos de autor